terça-feira, 18 de agosto de 2020

Funcionários dos Correios entram em greve em todo o país

Agência dos Correios
Sobre as ações da empresa para enfrentamento da pandemia, a federação relata que teve de acionar a Justiça para garantir aos empregados equipamentos de proteção individual, álcool em gel, testagem e afastamento daqueles integrantes de grupos de risco e dos que coabitam com crianças em idade escolar. A entidade afirma que se trata de estratégia para precarizar e privatizar a empresa.
Em nota, os Correios afirmaram que a empresa ainda apura a quantidade de funcionários e unidades que aderiram a paralisação, mas que possui um plano para “seguir atendendo à população em qualquer situação adversa”.
“Os Correios não pretendem suprimir direitos dos empregados. A empresa propõe ajustes dos benefícios concedidos ao que está previsto na CLT e em outras legislações, resguardando os vencimentos dos empregados”, disse a empresa.
Sobre a acusação de que revogou o atual acordo coletivo, a estatal afirmou que seu objetivo é “cuidar da sustentabilidade financeira da empresa” o que, em parte, significa “repensar a concessão de benefícios que extrapolem a prática de mercado e a legislação vigente”. 
“A diminuição de despesas prevista com as medidas de contenção em pauta é da ordem de R$ 600 milhões anuais. As reivindicações da Fentect, por sua vez, custariam aos cofres dos Correios quase R$ 1 bilhão no mesmo período – dez vezes o lucro obtido em 2019. Trata-se de uma proposta impossível de ser atendida.”
Informações do Estadão / CNN Brasil

Nenhum comentário:

Postar um comentário