segunda-feira, 18 de maio de 2020

Polícia Federal antecipou a Flávio Bolsonaro que Queiroz seria alvo de operação, diz suplente do senador

O empresário Paulo Marinho, atual presidente do PSDB-RJ e suplente do senador Flávio Bolsonaro, afirmou à Folha de S.Paulo que o filho do presidente Bolsonaro foi avisado pela Polícia Federal de que o assessor Fabrício Queiroz seria alvo de investigação na Operação Furna da Onça. Marinho é pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro.
Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, Paulo contou que ainda em dezembro daquele ano (2018), Flávio teria o procurado. Estava “absolutamente transtornado”, segundo o empresário. Buscava a indicação de um advogado criminal. De acordo com Paulo, Flávio disse que soube com antecedência que a Operação Furna da Onça, que atingiu Queiroz, seria deflagrada.
Foi avisado da existência dela entre o primeiro e o segundo turnos das eleições, por um delegado da Polícia Federal que era simpatizante da candidatura de Jair Bolsonaro, afirmou.
Além disso, Marinho relatou que os policiais teriam segurado a operação, então sigilosa, para que ela não ocorresse no meio do segundo turno, prejudicando assim a candidatura de Bolsonaro.
O delegado-informante teria aconselhado ainda Flávio a demitir Fabrício Queiroz e a filha dele, que trabalhava no gabinete de deputado federal de Jair Bolsonaro em Brasília. Os dois, de fato, foram exonerados naquele período —mais precisamente, no dia 15 de outubro de 2018.
Veja trecho do relato
“Uma semana depois do primeiro turno, o ex-coronel [Miguel] Braga, atual chefe de gabinete dele no Senado, tinha recebido o telefonema de um delegado da Polícia Federal do Rio de Janeiro, dizendo que tinha um assunto do interesse dele, Flávio, e que ele gostaria de falar com o senador.

Eles foram para a porta da Polícia Federal. O delegado tinha dito [ao coronel Braga]: ‘Você vai ver. Quando chegarem, me liga que eu vou sair de dentro do prédio da Polícia Federal’.
O delegado saiu de dentro da superintendência. Na calçada —eu estou contando o que eles me relataram—, o delegado falou: ‘Vai ser deflagrada a Operação Furna da Onça, que vai atingir em cheio a Assembleia Legislativa do Rio. E essa operação vai alcançar algumas pessoas do gabinete do Flávio [o filho do presidente era deputado estadual na época]. Uma delas é o Queiroz e a outra é a filha do Queiroz [Nathalia], que trabalha no gabinete do Jair Bolsonaro [que ainda era deputado federal] em Brasília’.
O delegado então disse, segundo eles: ‘Eu sugiro que vocês tomem providências. Eu sou eleitor, adepto, simpatizante da campanha [de Jair Bolsonaro], e nós vamos segurar essa operação para não detoná-la agora, durante o segundo turno, porque isso pode atrapalhar o resultado da eleição [presidencial]’.
Foram embora, agradeceram. Estou contando o que [Flávio Bolsonaro] me falou”.

Repercussão
O senador Randolfe Rodrigues (Rede Sustentabilidade), após publicação da matéria sobre Paulo Marinho, afirmou que vai protocolar no Conselho de Ética do Senado, na segunda-feira (18), um pedido de investigação, e caso comprovados os fatos, entrará com um pedido de cassação do Senador Flávio Bolsonaro.

Informações Agência Brasil / Bog do Finfa

Nenhum comentário:

Postar um comentário