sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

TCE determina à Alepe que extinga as verbas indenizatórias dos deputados estaduais

Resultado de imagem para teresa duere
Auditoria especial realizada pelo TCE nas verbas indenizatórias da Assembleia Legislativa, relativas aos exercícios de 2015 e 2016, foi julgada irregular pelo Tribunal de Contas em processo que teve como relatora a conselheira Teresa Duere.
A auditoria foi formalizada após a análise de um processo de denúncia que identificou irregularidades no ressarcimento de despesas de verbas indenizatórias do então deputado e hoje prefeito de Olinda, Lupércio Nascimento (SD), incluindo o pagamento a três “empresas fantasmas” que também constavam nos pedidos de ressarcimento de outros 22 parlamentares.
Em razão disso, o TCE estendeu a análise às verbas de gabinete, constatando também irregularidades nessas prestações de contas.
Ao tomar conhecimento dos fatos, o então presidente daquela Casa, deputado Guilherme Uchoa (PDT), morto em julho do ano passado, enviou ofício a Teresa Duere comunicando a suspensão da relação comercial com as sete “empresas”, por tempo indeterminado, e a restituição voluntária, pelos parlamentares, dos valores impugnados pelo TCE referente ao período de fevereiro de 2015 a dezembro de 2016. A devolução totalizou R$ 1.481.548,70.
No entanto, a conselheira diz em seu voto (processo 1728781-9) que a devolução foi o reconhecimento da prática da irregularidade e que as notas fiscais analisadas no processo deveriam passar pelo crivo do controle interno da Alepe e não pelos gabinetes dos parlamentares.
Por isso, julgou irregular o objeto da auditoria mas não imputou débito aos responsáveis. Determinou à Coordenadoria de Controle Externo que envie ofício à Junta Comercial de Pernambuco comunicando as irregularidades encontradas nas mencionadas empresas, e à mesa diretora da Alepe que tome as medidas necessárias para extinguir o pagamento de verbas indenizatórias com base no Ato 673/2009 e que, no prazo de 60 dias, apresente ao TCE quais são as despesas indispensáveis ao exercício do mandato parlamentar.
Informações Blog do Inaldo Sampaio

Nenhum comentário:

Postar um comentário