segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Primeiro Secretário da ALEPE deputado Clodoaldo Magalhães envia nota de esclarecimento sobre extinção de verbas indenizatórias

Resultado de imagem para clodoaldo magalhães
NOTA DE ESCLARECIMENTO

Diante da informação, divulgada nesta quinta (14) no site do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE), de que a Assembleia Legislativa de Pernambuco terá de adotar medidas para extinguir as suas verbas indenizatórias, a Mesa Diretora da Casa Joaquim Nabuco esclarece:

A auditoria especial, realizada pelo TCE nas verbas indenizatórias da Assembleia Legislativa de PE, no tocante aos exercícios de 2015 e 2016, sob relatoria da Conselheira Teresa Duere, teve como objeto, na verdade, a recomendação ao colegiado para que, no prazo de 60 dias, a ALEPE apresente o rol de despesas indispensáveis ao exercício do mandato parlamentar, garantindo maior transparência e austeridade com o uso da verba em questão.

Não se pode discutir a extinção da verba em questão, visto também que a ALEPE tem atualmente a menor verba indenizatória do Brasil. Defendemos que a Assembleia precisa rever o uso desse recurso, mas não o extinguir. 

A recomendação do TCE-PE tem caráter eminentemente pedagógico, e foi recebida pela Mesa Diretora como um indicativo, sintonizado com as novas medidas adotadas para o primeiro biênio desta 19ª Legislatura da ALEPE.

O Poder Legislativo é a caixa de ressonância da sociedade, onde se cumpre efetivamente o princípio da representação popular. A verba de caráter indenizatório, amplamente discutida nas instâncias legitimadas, é um instrumento de autonomia do parlamento, e no caso de Pernambuco, reforça-se que se trata do recurso de menor valor entre as Assembleias do país. 

A Assembleia Legislativa de Pernambuco formalizará, na próxima semana, a criação de um grupo de trabalho, liderado pelo Presidente Eriberto Medeiros (PP) e composto pelos quadros técnicos da Casa Joaquim Nabuco, ouvindo os deputados e deputadas, para elencar as despesas indispensáveis ao exercício do mandato, cumprindo assim a orientação do Tribunal de Contas do Estado, efetivando as novas diretrizes. 

No que já se discute internamente, acerca das despesas abarcadas pela verba indenizatória, a forma e o gasto com telefonia deverão sofrer alteração. No último exercício, esta despesa chegou a representar R$ 6,6 milhões do orçamento da Casa. Com o novo formato, cada deputado irá dispor de R$ 3 mil por mês para uso pelo seu gabinete, o que multiplicado pelos 49 parlamentares, representará uma economia de mais de R$ 5 milhões ao ano. 

A Mesa Diretora reafirma o seu compromisso em conduzir uma gestão alinhada aos princípios da administração pública e ao diálogo interinstitucional, sem tolher a autonomia e independência do Poder Legislativo – visto que isto representaria diminuir a força da sua representatividade. Reforçamos o comprometimento de sempre a construir um formato de gestão, em que mesmo dispondo do menor orçamento de verba indenizatória do país, efetiva as medidas de economicidade e transparência exigidas pela sociedade e os órgãos de controle. 

Deputado Clodoaldo Magalhães (PSB)
Primeiro Secretário da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco


Nenhum comentário:

Postar um comentário